Banner

março 17, 2018

Deus de contratos?




Muitas pessoas fazem contratos com empresas, bancos e funcionários, e geralmente querem sempre levar vantagens em alguma clausula contratual. Muitos cristãos também pensam que tem um contrato com Deus e tendo esse contrato com Deus, podem cobrar algo de Deus em relação ao seu contrato, e ai de Deus se Ele não cumprir esse contrato que alguns cristão insiste em dizer que tem com Deus.
Vamos entender como as pessoas insistem em ter esses contratos com Deus e qual e o destino delas, muitas acreditam que podem levar vantagens em tudo devido ao seu contrato sobrenatural, outras simplesmente acreditam que os seus contratos humanos são honrados pelos contrato sobrenatural.


Caso nº1 - Vamos ler Gênesis 29.31


Vendo o Senhor que Lia era desprezada, fê-la fecunda; ao passo que Raquel era estéril.


Caso nº2 - Vamos ler Gênesis 30.1-2


Vendo Raquel que não dava filhos a Jacó, teve ciúmes de sua irmã e disse a Jacó: Dá-me filhos, senão morrerei. Então, Jacó se irou contra Raquel e disse: Acaso, estou eu em lugar de Deus que ao teu ventre impediu frutificar?


Caso nº3 - Vamos ler Gênesis 30.14-17


Foi Rúben nos dias da ceifa do trigo, e achou mandrágoras no campo, e trouxe-as a Lia, sua mãe. Então, disse Raquel a Lia: Dá-me das mandrágoras de teu filho. Respondeu ela: Achas pouco o me teres levado o marido? Tomarás também as mandrágoras de meu filho? Disse Raquel: Ele te possuirá esta noite, a troco das mandrágoras de teu filho, á tarde, vindo Jacó do campo, saiu-lhe ao encontro Lia e lhe disse: Esta noite me possuirás, pois eu te aluguei pelas mandrágoras de meu filho. E Jacó, naquela noite, coabitou com ela. Ouviu Deus a Lia; ela concebeu e deu a luz o quinto filho.


Caso nº4 - Vamos ler Gênesis 30.22-23


Lembrou-se Deus de Raquel, ouviu-a e a fez fecunda. Ela concebeu, deu á luz um filho e disse: Deus me tirou o meu vexame.




https://docs.google.com/uc?export=download&id=0ByaPG-TH-EliMzREc05pRWVVRGc




Análise do Caso nº1


Deus sempre nos observa e Ele observou que Lia era desprezada no sentido de ser odiada. O termo odiada ou desprezada precisa ser compreendido em um sentido relativo quando comparado com o amor que Jacó tinha por Raquel.
 
 
Frequentemente está registrado no Antigo Testamento e também no Novo Testamento o fato que através da providência de Deus as pessoas que tem falta de alguma coisa passavam a se sobejarem relativamente a outros que em casos raros Deus lhes compensava em alguma falta.
 

Análise do Caso nº2


Devemos analisar esse caso tendo como base interpretativa o argumento cultural da Mesopotâmia que era o ambiente em que Raquel vivia qualquer mulher que não pudesse engravidar, era extremamente desprezada pela sociedade daquela época, o desprezo era tão intenso que o fator psicológico infelizmente falava alto no interior de Raquel e de qualquer mulher que passasse por essa situação a ponto de elas desejarem a morte do que essa humilhação.

 
Além desse problema, Raquel tinha o problema do ciúme, que lhe impedia de ver a vida de um modo diferente ao invés de buscar a solução do seu problema em Deus ele foi competir com sua irmã Lia a pior competição que pode existir e a competição entre irmão, sejam eles espirituais ou canais.

 
Raquel ao invés de buscar uma solução em Deus fez o contraio, foi reclamar para o seu marido Jacó  que ficou irado com a sua esposa e lhe disse que ele não estava no lugar de Deus que impediu ela de engravidar. Raquel não entendeu que quem nos faz frutificar e Deus e não nós.


Análise do Caso nº3


Rúben filho de Leia foi ao campo da ceifa de trigo e achou uma planta chamada mandrágoras note que a Bíblia menciona a palavra achou, ou seja, Rubén estava ali e por uma coincidência, ele observou essa planta e por ser diferente, ele trouxe para a sua mãe que por ser camponesa, saberia facilmente identificar para que servia essa planta. Temos então um contrato entre irmãs, parece absurdo, mas foi isso que aconteceu, Raquel disse para a sua irmã Lia que ela desse a mandrágoras que o filho dela tinha encontrado.

 
Lia respondeu a proposta contratual de Raquel da seguinte maneira: Você já tem o meu marido, agora você quer as mandrágoras do meu filho? Raquel então fecha contrato com sua irmã Lia dizendo: Meu marido será teu em troca das mandrágoras do teu filho. Contrato fechado entre irmãs, só tem um detalhe, a onde fica a opinião da outra parte envolvida no caso Jacó que não foi consultado?

 
Jacó estava retornado do campo e Lia que também era sua esposa lhe disse que Ele naquela noite iria ter relação sexual com ela, porque ela o tinha alugado pelas mandrágoras que seu filho Rúben tinha encontrado. Jacó sem discutir o contrato entre suas esposas teve relação sexual com sua esposa Lia. Mas porque Jacó aceitou esse tipo de situação? Provavelmente devido as suas discussões de casal entre suas duas esposas Raquel e Lia pra Jacó o relacionamento já estava tanto faz, como tanto fez, e isso e extremamente perigoso.

 
Mas afinal o porquê do desejo pela mandrágora? As mandrágoras estavam associadas a vida sexual, existia na Mesopotâmia uma superstição popular em relação a mandrágora de que ela seria um remédio que curava a esterilidade, o desejo contratual pela mandrágora e o resultado que se espera pela mandrágora não foi obtido trazendo frustração, porque Deus não é Deus de contratos e não se submete a superstição humana.


Análise do Caso nº4


Quando a Bíblia afirma que Deus se lembrou de Raquel, também está afirmando que ela se esqueceu de que Ele é Deus e que não faz contratos com superstições humanas. Quando Raquel teve a atitude de se lembrar de Deus é que somente Ele seria poderia lhe ajudar, Deus a ouviu e lhe permitiu engravidar que era o maior desejo de seu coração.

 
Qual e o maior desejo do seu coração? Seria você mulher leitora desse post engravidar? Raquel reconhece que foi Deus quem lhe tirou a sua vergonha e não as mandrágoras. Quem pode tirar a sua vergonha? Deus ou suas superstições contratuais?


Premissa 1


A família de Jacó era uma família polígama, que se refere a um casamento com dois cônjuges que nunca foi, nem nunca será da vontade de Deus. Deus criou o casamento monogâmico que se refere a um casamento com um cônjuge. Vamos ler o relato bíblico em favor do casamento monogâmico em Genesis 2.24


Por isso, deixará o homem pai e mãe e se une á sua mulher, tornando-se os dois uma só carne.


Premissa 2


Se Deus condena o casamento polígamo, porque ele era praticado nos tempos do Antigo Testamento? Devemos entender que a cultura da Mesopotâmia deve ser levando em consideração para entendermos melhor essa situação, nessa cultura era permitido ter casamentos polígamos assim como e permitido nos Países do Oriente Médio do século 21, muitos vinham o seu relacionamentos com Deus em formas contratuais e para os mais antigos em formas de barganhas, sou seja, queriam servir a Deus sempre tendo algo em troca e não por aquilo que Deus é, mas serviam a Deus pelo que Deus tinha a lhes oferecer.
 
 
Devemos entender que essa família mesmo sendo polígama com inúmeros fatos vergonhosos foi aceita por Deus com o proposito de gerar filhos e dar inicio as doze tribos que passariam a ser a nação escolhida por Deus para através de ela trazer o Messias.



Premissa 3


O que isso nos traz de realidade prática? Deus usa os seres humanos do jeito que são com suas qualidades e defeitos para servirem aos seus propósitos. Deus sempre fará o melhor com o material humanos que Ele tem para a sua disposição. Esses fatos não garantem e nem comprova que todas as pessoas que Deus usa serão eternamente salvas.
 
 
As pessoas podem ser utilizadas para servirem aos propósitos de Deus neste mundo, sem cumprirem as condições necessárias para entrarem no mundo eterno ou ter a vida eterna, no dia em que Deus ira julgar os segredos mais íntimos das pessoas para lhes determinar o seu destino final. Vamos ler o relato bíblico em Romanos 2.12-16


Assim, pois, todos os que pecaram sem lei também sem lei perecerão; e todos os que com lei pecaram mediante a lei serão julgados. Porque os simples ouvintes da lei não são justos diante de Deus, mas os que praticam a lei hão de ser justificados.
Quando, pois, os gentios, que não têm lei, procedem, por natureza, de conformidade com a lei, não tendo lei, servem eles de lei para si mesmos.
Estes mostram a norma da lei gravada no seu coração, testemunhando-lhes também a consciência e os seus pensamentos, mutualmente acusando-se ou defendendo-se, no dia em que Deus, por meio de Cristo Jesus, julgar os segredos dos homens, de conformidade com o meu evangelho.


Os escritores bíblicos eram pessoas sinceras e comprometidas com a verdade. Esses autores relatam com sinceridade e verdade os defeitos e qualidades das pessoas, mas também relata fatos contrários aos ideias que visa promover.


Significado de Premissa: Significa a proposição, o conteúdo, às informações essenciais que servem de base para o raciocínio, para um estudo que levará a uma conclusão, ou seja a conclusão de uma história.


Chute toda poeira que te impede de respirar o ar da felicidade.




ARTIGOS ÚTEIS PARA VOCÊ!

- 7 Salmos para a sua vida diária
- O que é apologética?
- Jerusalém reinada por Salomão
- Introdução a apologética
- E-book Conteúdos Famosos - Apologética  Edição 02
- As Estratégias de Satanás
- Posso negociar com Deus?



Hey,


O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários. E aproveite também para nos seguir nas redes sociais como: Facebook | Instagram | Google + | YouTube | Assinar Feed


Foto: Pixabay
Fonte: Manual Bíblico de Halley Editora Vida.
Tradução Bíblica: (ARA) Almeida Revista e Atualizada Editora Sociedade Bíblica do Brasil.
Frase retirada do Site Indiretas Brutas.
Significado da palavra premissa retirado do site significados.
 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para nós, aqui não aceitamos ofensas, preconceito, palavras de ódio e intolerância. Todos os comentários deverão ter nome identificado. Obrigado Por Comentar!.

Copyright © No Teu Altar - 2018. Todos os direitos reservados. Reprodução do conteúdo somente com autorização por escrito. Web Design: Garota Criativa. Inicio NTA